segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O Lado Sombrio Da Lua - Capítulo 3 - Festa

Este ano escolar era diferente de qualquer outro que eu tinha experimentado. O purgatório não era tão ruim quando um anjo te acompanhava através dele. Nós compartilhamos a maioria das nossas aulas e, embora o material era um completo desperdício, aprender sobre Bella era a educação que eu mais desejava. Em situações de sala de aula suas reações eram um pouco mais normais, mais previsíveis, mas ela ainda me surpreendia com seus conhecimentos e pontos de vista únicos. Cada dia trouxe uma nova visão do seu ser, e pela primeira vez eu realmente gostava da escola.
O dia voou, e cedo demais eu já estava acompanhando Bella para sua caminhonete. O resto da tarde seria gasto esquivando suas tentativas de evitar sua festa, não era a mais atraente das tarefas. Eu esperava que a visão de Alice estivesse ainda segura e que Bella acabaria por concordar em ir em uma maneira civil.
Sete horas, Edward, não se esqueça.  Os pensamentos de Alice passaram zunindo por mim enquanto ela corria para fora do estacionamento da escola no meu carro. Minha irmã parecia estar sob a impressão de que eu era incapaz de me lembrar da festa de aniversário de Bella – evento que ela estava planejando por um mês. Ela sabia perfeitamente bem que eu me lembraria, apenas uma das muitas maldições de ser um vampiro era uma memória infalível. Até recentemente, amaldiçoado era tudo que eu já senti. Não mais.
A resistência começou quando chegamos na caminhonete de Bella e abri a porta do passageiro, como eu fazia todos os dias.
“É meu aniversário, eu não posso dirigir?” Bella exigiu.
Não é um argumento inteligente da parte dela … “Eu estou fingindo que não é seu aniversário, assim como você queria.”
“Se não é meu aniversário, então eu não preciso ir à sua casa esta noite …” E Alice iria me fazer em pedaços.
“Tudo bem”. Eu prefiro suportar a lentidão de como Bella dirige do que a ira de Alice, então eu dei a volta e abri a porta do condutor. “Feliz Aniversário”.
Seu rosto se torceu no que parecia ser dor. “Shh”, ela sibilou fracamente antes de entrar no carro.
Olhei para Bella, seus olhos estreitando-se ligeiramente com a concentração, enquanto dava ré para a linha dos carros que estavam saindo. Enquanto ela inclinava sua cabeça sobre seu ombro seus cheios e rosados lábios caíram em uma carranca. Ela estava linda, mas infeliz, e minha garganta ardeu mais quente com a vista.
Hora de cumprir o papel que eu tinha que fazer para o benefício de Emmett. Eu brinquei com o rádio antigo, não surpreendido que estática era o máximo que eu conseguia tirar dele. Eu balancei minha cabeça, vendendo o meu descontentamento.
“Seu rádio tem recepção horrível”. Quando eu me referi a inadequação do rádio de seu carro, Bella me deu uma bela bronca, ela estava tão irritada.
“Você quer um som legal? Dirija seu próprio carro.” Suas palavras eram tão raramente afiadas comigo que eu fui pego de surpresa e quase ri alto. Tal ferocidade de tal criatura gentil e altruísta era contraditória, e eu mal conseguia conter-me.
Ela continuou a se enfurecer, enquanto eu me recuperava da força de sua reação, minha alegria transformando em frustração com sua teimosia. Chegamos à casa dela, e eu decidi que era hora de usar uma forte forma de coerção para quebrar o seu humor enraivado.
Peguei seu rosto em minhas mãos, mal tocando sua pele sedosa. Fechado na cabine seu cheiro impregnava meu próprio ser, atiçando o fogo da minha garganta até que parecia engolir todo o meu corpo. A sensação, embora enraizada na dor, desvaneceu-se para prazer enquanto ela chegava na ponta de meus dedos. A memória do seu gosto, e da euforia que o acompanhava, pairava na beira da minha percepção, sempre tentando-me quando estávamos juntos. Era uma tentação diferente que eu sucumbi enquanto segurava seu rosto delicado, porém, e inclinei-me para perto.
“Você deveria estar de bom humor, hoje, de todos os dias”, eu disse suavemente, propositadamente deixando minha respiração ir em sua direção. O efeito foi imediato, e o pulso e respiração de Bella vacilaram.
“E se eu não quero estar de bom humor?” ela perguntou com voz fraca. Um sorriso cresceu nos meus lábios enquanto eu a devorava com os olhos. Os olhos dela arregalaram-se e, apesar de que eu estava tentando deslumbrar ela, fui eu quem parou de respirar.
“Que pena”, eu sussurrei. Lentamente abaixei-me e suavemente pressionei meus lábios nos dela. Seu calor era sempre a primeira sensação que se registrava quando nos beijávamos, seguido pelo forte, mas agradável formigamento de elétrica excitação que corria através de mim. Minha respiração começou novamente, eo paradoxo de prazer e de agonia encheu-me, juntamente com o aroma de frésia e lavanda que flutuavam em cima do aroma de seu sangue delicioso.
Tão cuidadoso quanto eu era, Bella, como de costume, não era de fazer a mesma coisa. O fogo em seus lábios mal havia começado a infiltrar-se em mim antes que suas mãos teceram seu caminho em torno do meu pescoço, puxando-me mais perto. Ela respirou profundamente, e sua boca começou a se mover contra a minha, sua língua implorando entrada através de meus lábios. Seu aroma foi intensificado enquanto ela se apertava com força contra mim, e eu sorri, sempre espantado que eu poderia incitar uma reação tão apaixonada dela.
Ela continuou a tentar-me, puxando-me para ela com tanta força quanto ela podia conseguir. Estremeci, imaginando a eletricidade que eu sentiria se eu pudesse explorar sua boca do jeito que ela implorava para desfrutar a minha. Bella não tinha idéia de como era difícil estar tão perto assim mas ter que parar, sabendo que muito mais prazer estava apenas milímetros de distância. Ela confiava em meu controle – e o testava muitas vezes – sem saber que ela alimentava um fogo dentro de mim que eu pensei que há muito havia sido extinto. Eu sempre tinha considerado humanos como fracos, criaturas vazias comparadas aos vampiros, mas os sentimentos humanos que Bella acendia em mim eram mais fortes que qualquer coisa que eu já encontrei. Mais forte ainda do que a sensação mais poderosa de um vampiro – sede.
Ela era muito poderosa, para ter essa atração sobre mim. Como eu queria retribuir sua paixão com a mesma intensidade, para mostrar-lhe exatamente como ela me fazia sentir, mas isso não era possível. Ela era tão frágil, tão quebrável, e eu não podia me permitir sequer o menor lapso em controle por medo de ferí-la, matá-la, ou pior, envenená-la.
Enquanto eu tirava as mãos dela do meu corpo, eu sentia seu pulso martelando dentro do meu alcance. “Se comporte, por favor”, eu suspirei. Ela sentou-se perfeitamente imóvel, e eu a beijei suavemente. Seu coração batia fortemente, e quando eu soltei ela, ela colocou a mão sobre seu peito.
“Você acha que alguma vez eu vou ficar melhor com isso?” disse ela, sem olhar para mim. “Que meu coração poderia um dia parar de tentar sair do meu peito toda vez que você me tocar?”
“Eu realmente espero que não”, eu riu. Seu coração não era apenas o núcleo da sua humanidade, era também uma das poucas janelas que eu tinha para seus pensamentos. A forma como o pulso dela reagia a minha proximidade, o meu toque, mesmo minhas palavras, era algo a ser protegido quase tanto como a sua vida.
Ao invés de brigar por mais tempo, ela revirou os olhos e abriu a porta do carro. “Vamos assistir os Capuleto e Montéquio detonarem uns aos outros, tudo bem?”
“Seu desejo, o meu comando.”
Uma vez lá dentro, me acomodei no sofá velho na frente da TV, saboreando o gosto persistente de seu beijo. Ela começou a fita, e eu puxei-a contra mim, suavemente, sem fôlego, enquanto ela acomodava sua macia e quente costa contra o meu peito.
Enquanto eu a cobria com uma manta do sofá, a minha curiosidade me venceu. “Você sabe, eu nunca tive muita paciência com Romeu.” Eu vi Romeu e Julieta apresentado em todos as maneiras possíveis e em mais línguas do que eu poderia contar. Eu não podia deixar de me perguntar por que ela amava tanto.
“O que há de errado com Romeu?” ela disse, claramente confusa.
Romeu era tão impulsivo, tão impensado em suas transações, e eu era incapaz de me identificar com ele sobre tudo. Bella parecia ter tomado ofensa com minha crítica, e minha incapacidade de ler os pensamentos dela me irritava pela milésima vez. Que atrativo poderia Romeo ter para a inteligente e atenciosa mulher que eu amava?
“Bem, antes de tudo, ele é apaixonado por essa tal de Rosaline, você não acha que isso o torna um pouco inconstante? E então, alguns minutos após o seu casamento, ele mata o primo de Julieta. Isso não é muito brilhante.” Certamente, ela podia ver as falhas de Romeu. “Erro após erro. Poderia ele ter destruído a sua felicidade mais completamente?”
Os créditos terminaram e Bella suspirou. “Você quer que eu assista isso sozinha?”
Então isso era a punição por minha opinião? Dois podem jogar esse jogo … “Não, eu vou estar vendo você na maior parte, de qualquer maneira.” A suavidade delicada do seu braço se tornou o centro de minha atenção. Arrepios surgiram em sua pele cremosa com o meu toque, e amaldiçoei a temperatura do meu corpo gelado. “Você vai chorar?” Eu perguntei, lembrando-me do sabor doce de suas lágrimas.
“Provavelmente, se eu estiver prestando atenção”, disse ela, com os olhos na tela.
“Então não vou te distrair.” Com minha voz, pelo menos, eu pensei. Toda vez que eu tocava Bella, com minhas mãos ou meus lábios, seu coração reagia às vezes acelerando, outras vezes, perdia uma batida. Apesar de eu adorar provocá-la, quando Bella esfregou os olhos, tentando se manter concentrada na televisão percebi que se eu não a deixasse se concentrar, nós poderíamos ter de assistir o filme novamente. Eu fiquei imóvel, e voltei meus olhos para a história que se desenrolava diante de nós. Enquanto Romeu confessava sua adoração por Julieta, me peguei encontrando novos significados em suas palavras, e comecei a recitá-las junto com o ator.
Bella tremeu em meus braços enquanto eu sussurrava em seu ouvido, suavemente ecoando as palavras que saiam da televisão.
“Veja como ela inclina seu rosto sobre a mão!
Ah, se eu fosse uma luva sobre aquela mão,
Que eu possa tocar aquela bochecha!”
Eu continuei a repetir as falas de Romeu, apreciando como Bella se aconchegava contra mim a cada fala. Finalmente chegamos ao momento crucial, quando Julieta encontra seu amor, morto. Bela não repetiu as falas de Julieta em voz alta, mas seus lábios se moviam em sincronia com os da atriz.
O que há aqui? uma taça, fechada na mão de meu verdadeiro amor?
Veneno, eu vejo, tem sido o seu fim eterno:
Oh vilão! bebeu tudo, e não deixou nenhuma amigável gota
Para ajudar-me depois? Eu vou beijar os teus lábios;
Por acaso algum veneno ainda há de cair deles,
Para fazer morrer com um restaurador.
Enquanto Julieta beijava Romeu, esperando para morrer com ele, as lágrimas escorriam pelo rosto de Bella. Meus lábios encontraram seu cabelo, necessitando aliviar sua tristeza, mesmo se fosse imaginária. Seu choro não cedeu, e eu tentei uma distração diferente.
“Eu admito, eu meio que o invejo aqui,” eu disse, lembrando de Romeu colocando o veneno em sua boca e sucumbindo em segundos. Minha boca estava sempre cheia de veneno, e ainda assim eu continuava não-afetado. Gentilmente eu secava suas lágrimas com uma mecha de seus cabelos castanhos.
“Ela é muito bonita.” Bella disse em um tom azedo.
Eu quase engasguei com suas palavras. Ela pensou que eu achava essa atriz atraente quando eu tinha a perfeição em meus braços? ”Eu não o invejo por causa da menina – apenas a facilidade do suicídio.” Sem pensar eu continuei. ”Vocês humanos têm isso tão fácil! Tudo o que vocês precisam fazer é beber um frasco pequeno de extratos vegetais…”
“Como é?” Bella exclamou, me interrompendo.
Ela realmente não entendia a profundidade de meus sentimentos. Como minha vida  era inexoravelmente ligada a dela; como eu só podia existir se ela existisse. Tentei organizar meus pensamentos para lhe passar essa conexão.
“É algo que eu tive que pensar uma vez, e eu sabia pela experiência de Carlisle que não seria simples. Eu nem tenho certeza de quantas maneiras Carlisle tentou se matar no começo… depois que ele percebeu o que ele havia se tornado…” Eu parei. Talvez eu também pudesse influenciá-la para desistir de seu desejo de se tornar imortal se ela percebesse como era inevitável a nossa maldição.
Enquanto eu olhava para o seu perfil, eu podia ver o olhar angustiado em seu rosto, e suavizei meu tom. ”E ele claramente ainda está em excelente saúde.” Seria errado para eu revelar meus planos, eu poderia ver isso agora.
Ela se mexeu em meus braços, encontrando meus olhos com os seus. ”O que você está falando? O que você quer dizer, com essa historia de que isso era algo que teve que pensar uma vez?” Raiva tingiu suas palavras, e meu remorso se intensificou.
“Primavera passada, quando você quase foi… morta…” Minha mente voltou para o momento em que eu a vi, deitada quebrada em uma poça de seu próprio sangue. Um nó surgiu em minha garganta, me impedindo de falar por uma fração de segundo. Me recompus para que eu pudesse continuar. ”Claro que eu estava tentando me concentrar em encontrar você viva, mas parte da minha mente fazia planos alternativos.” Lembrei-me da corrida terrível por Phoenix, a tortura de não saber se ela ainda vivia, e como eu percebi que minha vida ia acabar quando dela acabasse. “Como eu disse, não é tão fácil para mim como é para um ser humano.”
Eu podia ver as memórias passando pelo rosto de Bella tão claramente como se eu pudesse ler sua mente, e eu doía por lhe trazer novamente tanta dor. Sem pensar, ela tocou a cicatriz que James deixou na palma de sua mão esquerda. Eu vi sua expressão mudar de medo, para dor, e voltar para a raiva enquanto ela considerava as minhas palavras. ”Planos alternativos?” ela repetiu secamente.
“Bem, eu não ia viver sem você,” eu disse, frustrado que eu tinha que disser isso tão claramente. Ela devia compreender isso facilmente. ”Mas eu não tinha certeza de como fazê-lo… Eu sabia que Emmett e Jasper nunca iriam ajudar… então eu estava pensando que talvez eu fosse para Itália e fizesse algo para provocar os Volturi.”
Os Volturi tinham mais poder que o suficiente para acabar rapidamente com a minha existência. Carlisle tinha visto em primeira mão o seu domínio séculos atrás, e desde então seu poder só tinha aumentado. Eu não seria nada mais do que um aborrecimento, extinto tão facilmente como uma vela.
Bella interrompeu meu devaneio. ”O que é um Volturi?” Ela quase gritou.
“Os Volturi são uma família.” Clã é mais descritivo - eles não têm laços emocionais como a nossa família - mas  família era uma descrição que ela podia se relacionar. ”Uma família muito antiga e poderosa de nossa espécie. Eles são a coisa mais próxima que nosso mundo tem de uma família real, imagino. Carlisle viveu brevemente com eles em seus primeiros anos, na Itália, antes de ele se mudar para os Estados Unidos - você se lembra da história?”
“Claro que me lembro,” retrucou ela. Seus olhos caíram para meu ombro, sem dúvida revendo a lição que eu lhe dei no escritório de Carlisle.
“De qualquer modo, não se deve irritar os Volturi. A não ser que você queira morrer – ou que seja que aconteça conosco.” Morte não era o termo correto, mas novamente, seria suficiente para ela. Eu só podia esperar que o fim me trouxesse algum tipo de paz.
Ela me encarou, e sua expressão de raiva mudou para terror. Ela segurou meu rosto em suas mãos enquanto falava, obviamente desperada para que eu a ouvisse.
“Você nunca, nunca, jamais pense em nada parecido com isso de novo!” Ela brigou comigo. Tão carinhosa. Uma memória muito antiga, embaçada, surgiu no fundo de minha mente. Assim como minha mãe humana. ”Não importa o que possa acontecer comigo, você não está permitido a se machucar.” E ainda o entendimento lhe fugia…
“Eu nunca vou te colocar em perigo novamente, por isso essa é um discussao inútil.” Essa promessa eu fiz para ela e para mim.
Me colocar em perigo! Pensei que tinhámos combinado que todo o azar é culpa minha? Como você se atreve a pensar desse jeito?” Sua voz ficou mais agudo.
É claro que eu a tinha colocado em perigo. O dia que eu decidi tomar o caminho egoísta, o percurso fraco, para compartilhar o meu mundo com ela, eu trouxe mais perigo para a porta da casa dela do que ela poderia ter imaginado. Sua propensão para atrair problemas pode ter iniciado o processo, mas eu tornei isso possível com a minha decisão. Eu sabia desde o início que o caminho certo para mim seria deixá-la com sua vida humana, mas não consegui encontrar a força para tal separação. Além disso, ela precisava da minha proteção – sendo o imã para todas as coisas perigosas que ela era.
Ela não podia se colocar em minha posição? ”O que você faria, se a situação fosse inversa?”
“Não é a mesma coisa,” ela respondeu rapidamente. Eu esperei enquanto seu cérebro alcançava sua boca. Seu rosto ficou pálido quando ela falou de novo. ”E se alguma coisa acontecesse com você? Você gostaria que eu acabasse comigo mesma?”
De repente, a imagem do corpo de Romeu sem vida foi substituído pelo meu próprio, e Bella chorava por mim. Este era um cenário que eu não tinha considerado. Na minha imaginação Bella levantava o punhal acima de seu peito, e eu me encolhi, rapidamente apagando a cena da minha mente. Não era a mesma coisa. Independentemente, ela morreria um dia. Sua mente humana iria encontrar uma maneira de seguir em frente, diferente da minha com uma memória impecável, e em poucas décadas, ela iria encontrar seu descanso, paz indo em direção ao paraíso. Ela não seria condenada a droga de uma eternidade sozinha, infinita e sem razão.
Mas eu senti a dor que ela sentiu ao pensar em sobreviver sem mim, mesmo se fosse completamente irrealista. “Eu acho que entendo seu argumento… um pouco. Mas o que eu faria sem você?” Em minha mente, Romeu agora se inclinava sobre sua Julieta morta, imitando o jeito que eu me ajoelhei sobre o corpo com sangue de Bella no
Arizona. Prendi a respiração, assim que fiz, a queimação incinerou não só minha garganta, mas dentro do meu peito também.
“O que você estava fazendo antes de eu aparecer e complicar sua vida,” disse ela como se fosse óbvio.
Eu suspirei, sabendo com certeza que ela não conseguia entender como era sua vida, seu amor, que era o único propósito de minha existência. Antes, eu estava apenas procurando por ela, uma vez que ela se foi, não haveria nada para encontrar. ”Você faz parecer tão fácil”, eu disse derrotado. Ela não conseguia entender.
“Devia ser. Eu não sou assim tão interessante.”
Ela era tão teimosa… mesmo assim, após todo esse tempo, incapaz de aceitar o quanto ela era desejável para todos, mas muito mais para mim. Como esse desejo não tinha absolutamente nada a ver com como ela cheirava ou provava.
Eu comecei a discutir, mas me lembrei que este era pra ser um dia de celebração. ”Discussão inútil”. Eu não iria mais discutir isso.
Antes que pudesse formular uma resposta, ouvi os pensamentos nublados de Charlie, e arrumei Bella de modo que não nos tocávamos mais. Eu não precisava me explicar agora.
“Charlie?” ela perguntou, e eu sorri, feliz com a mudança de assunto. Bella esticou para o meu lado, me dando um olhar desafiador enquanto seu pai entrava com o jantar.
Como de costume, os pensamentos de Charlie eram sombrios, escondido em uma espessa neblina. Eu podia dizer que ele estava contente, apenas um pouco angustiado que sua filha estava chegando perto do dia que ela o deixaria como uma adulta. Eles comeram em silêncio, Charlie olhando ocasionalmente para a filha, observando como ela parecia sua mãe. A realização lhe trouxe alegria e tristeza, embora a razão para que o ultimo não era clara.
Depois de jantar, e depois de salvar a câmera de Bella um encontro desastroso com o chão, eu e ela partimos para a minha casa e a festa de aniversário como prometido. Eu dirigi desta vez, sem qualquer argumento de Bella, felizmente.
Dolorosamente nos arrastamos pelo crepúsculo em velocidade bem abaixo do que eu iria tolerar no meu carro. Péssimo que Rosalie era tão enojada com a presença de Bella; ela podia desfrutar acrescentar algum poder a este veiculo obsoleto. Eu pisei no acelerador quase chegando no máximo.
“Pega leve,” Bella disse. Ela era tão protetora com esse pedaço de lixo. Eu não conseguia evitar de pegar em seu pé-.
“Sabe o que você ia adorar? Um pequeno e lindo Audi. Muito silencioso, muita potência…”
“Não há nada de errado com minha picape.” Ela disse, erguendo seu queixo em minha direção. Eu sorri para mim mesmo. Tão defensiva. O gatinho que se tornaria um tigre. ”E por falar em supérfluos caros, se você sabe o que é bom para
você, você não gastou dinheiro nenhum com presentes de aniversário.”
Por mais que eu quisesse lhe dar algo grande, como o Audi, que eu tinha cedido à sua vontade e que resisti a tentação. ”Nem um centavo”, eu disse orgulhoso.
“Bom”.
Revirei os olhos enquanto eu dava para a garagem, mas ela
não ver a minha frustração. Nós estávamos nos aproximando do ponto de
decisão da parte dela, se ela não seria realmente
ceder e vamos comemorar o seu dia especial. ”Você pode fazer
me um favor? ”Eu testei.
“Depende do que for,” ela disse desconfiada.
É claro. Eu virei para ela, esperando que ela não fosse brigar comigo
sobre este problema. ”Bella, o último aniversário de verdade que tivemos foi o de Emmett, em 1935. Relaxe um pouco e não seja difícil demais esta noite. Todos estão muito animados.” Bem, quase todos…
A expressão Bella mudou para surpresa. O que ela podia ter esperado de mim? “Tudo bem, eu vou me comportar…”
Mas havia mais uma coisa. ”Eu provavelmente deveria te avisar…”
Surpreendentemente sua atitude não mudou.  “Continue.”
“Quando digo que todos estão animados… Quero dizer todos eles.”
Neste caso, a reação de Bella foi exatamente como eu esperava. O rosto contorcido de medo enquanto ela falava. “Todos?” A voz falhou ao dizer a palavra, e ficou claro que ela estava pensando sobre enfrentar Rosalie.
“Emmett gostaria de estar aqui.” Tomara que Bella se concentre nele – ela amava meu irmão e seu senso de humor sem escrúpulos.
“Mas… e Rosalie?”
“Eu sei, Bella. Não se preocupe, ela se comportará da melhor forma”. Se Rosalie pisasse um pé fora da linha, eu iria pessoalmente esmagar todas as suas valiosas ferramentas mecânicas com minhas próprias mãos, em seguida transformá-las em um busto do lindo rosto do meu amor e prendê-lo no capô do BMW.
Bella sentou-se silenciosamente à medida em que aceleramos em direção à casa. Minha família nos ouviu chegando, Emmett veio gargalhando alto enquanto Alice alegremente me mostrou sua mais recente visão. Me peguei rindo enquanto acompanhava meu amor até em casa. Como chegaríamos a esse futuro considerando onde estávamos agora era algo além de mim, mas tentei aliviar o clima.
“Então, se você não vai me deixar te dar o Audi, não há nada que você gostaria no seu aniversário?” Assim que a pergunta saiu dos meus lábios, eu me arrependi de falar.
“Você sabe o que eu quero”, respondeu ela calmamente, e suas palavras foram como uma faca em meu coração. O aniversário dela foi a gota d’água no equilíbrio do nosso impasse: o tempo dela estava sendo marcado, e o meu acabando. O verão inteiro Bella pediu, implorou, argumentou e exigiu que eu fizesse com ela o que foi feito comigo: desperdiçar a sua alma e torná-la uma vampira. O argumento dela era simples: ficar comigo para sempre. Ela ignorou todos os aspectos torturantes que envolvem a minha existência: o ostracismo, a sede devastadora, o tédio – sem contar a condenação eterna – insistindo que nosso amor iria compensar qualquer dor que ela pudesse sentir. Ela não conseguia entender que ela não pertencia a este inferno.
Mas com ela não tinha conversa, e eu estava cansado deste argumento: “Hoje não, Bella. Por favor.”
“Bem, talvez Alice me dê o que eu quero”, disse ela alegremente.
Suas palavras provocaram um rosnado furioso em mim. Ai da Alice se ela ousasse considerar uma coisa dessas. A ingenuidade de Bella teria de ser contornada, no entanto, e eu ganharia um ponto discutindo essa questão com Alice – e Carlisle também – quando surgisse a oportunidade. “Esse não vai ser o seu último aniversário, Bella.”
“Isso não é justo!” reclamou ela, de forma infantil.
Meus dentes se colidiram, impedindo uma atitude igualmente infantil. Não era culpa dela que ela não conseguia entender, eu disse a mim mesmo, tentando dominar a minha frustração.
Quando nos aproximamos da casa, me concentrei nos pensamentos dos outros, enquanto nos esperavam chegar. Todo mundo estava feliz e animado. Todo mundo, menos Rosalie, para aumentar minha irritação. O ódio que ela tinha de Bella estava fluindo, sendo obrigada a participar da festa de hoje por Emmett. Isso é completamente ridículo, ela pensou.
Jasper estremeceu com as emoções conflitantes que ele estava sentindo enquanto eles esperavam, desejando, assim como ele fazia quase todos os dias, se livrar daquele dom que ele via como uma maldição. Nós viramos a última curva e a casa entrou à vista.
“Nããão,” Bella gemeu quando via as escadas super decoradas.
Alice tinha ido longe demais, como sempre, e agora Bella estava ainda mais chateada. Eu tentei me acalmar, colocando a nossa briga longe da minha mente. Minha única esperança de conseguir fazer Bella entrar comigo seria deslumbrando-a novamente, e eu dei algumas respirações profundas, tentando encontrar a calma que precisaria para convencê-la.
Parei o carro e me virei para Bella. Ela estava se esforçando para controlar bem a sua própria respiração. “Esta é uma festa. Tente levar isso bem”, eu disse calmamente.
“Claro”, murmurou ela. Corri em volta do carro e abri a porta.
Quando ela pegou na minha mão, o franzido familiar apareceu entre suas sobrancelhas. “Tenho uma pergunta”, disse ela.
Eu me preparei para o questionamento dela, mas não disse nada.
“Se eu revelar este filme, você vai aparecer na foto?”
Como de costume, Bella tinha vindo com algo completamente inesperado. Será que ela não tinha percebido que todos os mitos eram apenas isso… mitos? O pensamento de que eu seria invisível no filme, ou nos espelhos era completamente hilário, e comecei a rir. Risos varreram a casa, também, aliviando o humor de todo mundo, exceto o de Rosalie. Ela deu uma cotovelada forte em Emmett, forçando-o a parar de rir com um simples “Ai”.
Nesse instante, escoltei Bella pelos degraus e pela porta onde ela foi saudada com um estrondoso “Feliz Aniversário!”
Enquanto eu beijei o alto de sua cabeça, adicionando meus próprios votos de forma silenciosa. Feliz aniversário, Bella, meu amor. Que você ainda tenha muitos mais.
Bella era o centro dos pensamentos de quase todos em diferentes níveis, mas quando fechei a porta atrás de nós, o foco mudou por um instante. O movimento da porta fez com que o cheiro de Bella passasse rodopiando pela sala, fazendo com que a principal preocupação de todos fosse o autocontrole. O que me chamou a atenção foi a reação de Jasper.
Ele agarrou forte o corrimão como se ele tivesse sido inundado pela sede violenta de seis outros vampiros. Eu encontrei seu olhar e ele balançou a cabeça. Estou bem. É só o choque inicial que é difícil. Eu me preparei, Edward. Um aborrecimento coloriu os pensamentos dele assim que ele também captou os olhares do resto da família.
Meu irmão abriu ainda mais os olhos em desafio para que todos pudessem ver a luz dourada de um imortal bem alimentado, ao olharem-no de volta. Ele parecia calmo agora, mas ainda assim…
Vai ficar tudo bem, dê um descanso a Jasper, Alice pensou, mostrando-me a risada que logo sairia de Bella ao abrir seus presentes.
Relutantemente liberei Bella para que Esme pudesse envolver seus braços ao redor do meu amor com cuidado. Os pensamentos dela cheios do mesmo amor que ela tinha com todos os seus filhos, aceitando Bella facilmente como sua filha. Se assim pudesse ser. Quando ela beijou a testa de Bella, eu fiquei atordoado. Nenhum pensamento predatório sequer cruzou a mente de minha mãe, era porque ela beijava Bella como se ela fosse uma de nós. Aparentemente, minha afeição não foi a única forte o suficiente para superar a sede.
Bella se encolheu ao olhar para o grande número de rosas que enchia a sala. Alice tinha comprado todas as rosas cor-de-rosa e velas daqui até Seattle, e elas estavam por toda parte. Se Bella não estivesse presente, a sala cheiraria a cera e fumaça; somente sinais do aroma das rosas de cabo longo poderiam ser detectáveis. Com ela ao meu lado eu não conseguia sentir nada disso.
“Desculpe por isso”, Carlisle sussurrou em voz alta para Bella. Tocar Bella não era quase nenhum desafio para Carlisle quanto foi com relação a Esme, e ele apertou os ombros dela afetuosamente. “Não tivemos como controlar Alice.”
Rosalie e Emmett vieram logo em seguida, e minha irmã conseguiu manter sua expressão austera. Emmett, no entanto, estava radiante.
“Você não mudou nada”, disse ele, caçoando. “Eu esperava perceber alguma diferença, mas aqui está você, com o rosto vermelho como sempre.”
Na verdade, Emmett notava toda e qualquer mudança. O cabelo de Bella estava maior, precisando de um corte em breve. A figura dela estava um pouco mais definida, acentuada pelo jeans apertado. Os resquícios do último ataque de beleza de Alice mostravam-se nas unhas de Bella, que ainda estavam lixadas e arredondadas. Ela não tinha crescido, mas tornou-se mais confiante ao lidar com a minha família, com uma postura mais ereta, embora ela hesitasse um pouco em relação à minha montanha em forma de irmão. Ele elevou-se sobre ela, resistindo à vontade de afagar sua cabeça como um animal de estimação.
E ela ainda é humana, ele acrescentou em meu benefício. Irmãos…
Bella corou ainda mais, “Muito obrigada, Emmett”.
Ele riu, “Eu tenho que sair por um segundo. Não faça nada engraçado enquanto eu estiver fora.” Eu ia gostar de poder ver o rosto dela quando abrir a caixa. Ele riu silenciosamente enquanto saia pela porta da frente.
“Eu vou tentar,” disse Bella, revirando os olhos.
Ela olhou pela sala em direção a Jasper, e quando ele não seguiu Alice para ficar ao lado dela, ela sorriu para ele cuidadosamente. Senti um lampejo de esperança de que a autopreservação de Bella ainda estivesse intacta. Talvez ela também pudesse sentir a luta interna de Jasper.
“Hora de abrir os presentes”, Alice anunciou, levando Bella para uma longa mesa colocada ao lado do meu piano. Um bolo rosa enorme estava no centro da mesa, ladeado por mais um vaso de rosas de um lado, e do outro uma pequena pilha de presentes de embrulho prata imaculados. A cor ébano do piano fazia um agudo contraste com o bolo rosa brilhante.
Escondida atrás dos presentes estava uma pilha de pratos de vidro, e abafei um gemido. Eu esperava que Alice não achasse que íamos comer o bolo. Vômitos em massa não era geralmente parte das festividades de um aniversário normal.
O rosto de Bella caiu, mas havia algo naquele olhar que era falso. Será que ela realmente iria aceitar seus presentes de bom grado?
“Alice, eu sei que te disse que eu não queria nada-”
“Mas eu não ouvi,” Alice a interrompeu radiante enquanto ela também via um pequeno lampejo de emoção nos olhos de Bella. “Abra”, ela ordenou, entregando a Bella o maior dos três pacotes.
Eu previ a reação de Bella, sua hesitação na forma descuidada de rasgar o papel e rapidamente descobrir o presente. Ela pegou a caixa com cuidado, claramente surpreendida pois parecia não ter nada dentro. Primeiro ela leu o cartão, depois rolou a caixa de um lado para o outro, procurando um lugar para rasgar o embrulho, mas também descobrindo que o conteúdo do presente não fazia nenhum barulho. Seus olhos percorreram ao nosso redor, enquanto ela rasgava um canto do papel, revelando as etiquetas da caixa.
Ainda confusa, ela apertou os olhos, examinando a escrita e eu pressionei meus lábios, ao mesmo tempo em que ela descobriu o topo da caixa e a abriu. Ela olhou dentro, e seus olhos se arregalaram, não encontrando nada.
Ela não faz idéia do que é! Rosalie pensou em voz alta, sorrindo pela primeira vez.
“Hum … obrigada?” disse Bella, não como uma afirmação, mas como uma pergunta.
Jasper foi o que riu mais alto, encobrindo minha risada. “É um aparelho de som para a sua caminhonete. Emmett está instalando agora para que você não possa devolvê-lo.”
Bella encarou Alice, mas depois sorriu calorosamente. “Obrigada, Jasper, Rosalie”, em seguida, olhou para mim. Ela pressionou os lábios, ainda sorrindo, facilmente transmitindo que entendeu o insulto anterior feito à sua caminhonete. Ainda assim, não havia nada além de alegria em seu olhar, e aquele vislumbre me aqueceu como só o sol poderia.
“Obrigada, Emmett,” Bella falou um pouco mais alto, e juntou-se à risada rouca dele com suas próprias risadinhas silenciosas.
Ela realmente é maravilhosa, Edward, disse Carlisle em pensamento, reconhecendo que Bella já tinha aceitado que Emmett pudesse ouví-la sem que ela gritasse.
“Agora abra o meu e de Edward”, Alice quase gritou. Ela ainda não tinha previsto a reação de Bella com o presente – o futuro estava misteriosamente nublado. Será que Bella se recusaria a abrir o meu presente?
Em resposta, ela virou-se para me encarar com um olhar duro no rosto dela. “Você prometeu”, disse ela sombriamente.
Logo então Emmett pulou de volta à sala, tendo completado a sua missão.”Bem na hora!” ele berrou, cada um de seus dentes letais reluzindo através das luzes brilhantes.
O olhar de Bella não vacilou em permanecer focado o meu rosto. “Eu não gastei um centavo”, jurei, levantando minha mão. Ela tinha aceitado o rádio – eram apenas presentes de mim que a incomodavam?
Uma mecha de cabelo se soltou pelo rosto de Bella, nunca sequer escondendo os olhos dela de mim, e eu a alcancei enfiando-a atrás de sua orelha suavemente. O coração de Bella deu um pulo e Esme apertou a mão de Carlisle com o som.
Ele é tão gentil com ela… isso é adorável, Edward.
Bella respirou fundo, ainda sem sorrir. “Me dê”, disse ela, resignada.
Emmett riu. Ela realmente não vai tirar nada de você, não é mesmo?
Olhei para ele e revirei os olhos. Era o que parecia.
Bella pegou o pacote, mas não levou tempo nenhum para descobrir. A forma e o tamanho tornavam óbvio para ela o que era, mas sem pensar ela puxou com muita força o dedo abaixo da fita da embalagem.
Antes que Bella pudesse rasgar o papel, a pele do seu dedo entrou em contato com a borda surpreendentemente afiada. Para o meu horror, uma única gota do sangue dela começou a aparecer, e o tempo foi ficando cada vez mais lento. Só de olhar para o pequeno, mas crescente, ponto vermelho foi o suficiente para que a minha garganta explodisse numa dor ardente, e meu estômago se contorcesse dentro de mim, antecipando o gosto da doce perfeição do sangue dela. No momento em que o magnífico aroma do sangue de Bella floresceu, o meu lado caçador, o monstro, encontrou nova vida, escolhendo rapidamente qual das artérias pudesse fornecer a refeição mais satisfatória, enquanto extraia aquele prazer o máximo possível. Minha visão embaçou por uma fração de segundo, enquanto o aroma tornava-se um sabor, um gosto extasiante que me dominava, recordando a última vez que seu sangue havia passado pela minha boca.
“Droga”, Bella disse um segundo depois de sentir o corte e, como antes, o som de sua voz espantou a minha fantasia. Minha respiração parou, o que não trouxe nenhum alívio, mas me permitiu manter o tênue domínio do meu autocontrole. Os pensamentos da minha família me tomaram enquanto todos eles lutavam para manter a compostura, um por um cortando o fornecimento de ar. A sede deles não era nada comparada à minha, mas seus pensamentos serviram para inflamar minha garganta seca ainda mais. Venci o monstro novamente. Eu não poderia machucar Bella. Eu não iria machucá-la.
Meu amor não percebeu toda a tensão em torno dela e, lentamente, virou o corte com uma única gota de sangue em direção ao seu rosto. Naquele momento, duas imagens apareceram, sobrepostas em minha mente: a partir de Alice, a visão de Jasper mergulhando em direção à Bella; e de Jasper, os cabelos castanho-escuros de Bella a centímetros dos olhos dele enquanto seus lábios encontravam a garganta dela. Um milésimo de segundo depois, Jasper se preparou para o salto e eu reagi por instinto.
Com o máximo do meu último suspiro eu gritei “NÃO!” movendo-me rapidamente para interceptar o meu irmão faminto. Ele foi tão rápido que minha única opção foi a de jogar Bella para longe, tornando-me um muro de pedra entre a pele macia dela e os dentes de Jasper afiados feito navalha. O corpo dele colidiu com o meu, sua mente completamente preenchida por uma sede de sangue, no mínimo igual à minha, mas sem vontade de contê-la. Nossos braços se travaram e, com uma fúria igual ao desejo dele, eu o detive.
Ela – Eu tenho que tê-la! Saia do meu caminho! seus pensamentos gritavam. Era como se Jasper tivesse regredido novamente a um vampiro recém-criado – todo o seu ser sendo conduzido por apenas uma palavra, sangue. Ele me agarrou, tentando desesperadamente fazer caminho até Bella. Assim que eu fixei o meu domínio sobre ele, ouvi uma batida, e a tensão de Jasper aumentou.
Sua mente a toda velocidade enquanto ele viu Bella, deitada numa pilha de vidro quebrado, o braço coberto de cacos de vidro. Eu via o massacre através dos olhos dele, e o fogo saiu da minha garganta para me atingir por inteiro. O cheiro do sangue dela era tão intenso que eu realmente podia prová-lo através dos pensamentos de Jasper, mas ele só tinha uma vaga ideia do verdadeiro prazer que o líquido morno e vermelho fornecia. A cada pulsação a ferida jorrava… tão atraente … e os pensamentos do resto da minha família também estavam cheios de tentação. Não pude conter o grunhido que atravessou os meus lábios – o meu demônio interno não era só sedento, mas possessivo.
Sangue… Desperdício… Meu… Incapaz de pensar de forma coerente agora, Jasper focou-se apenas no acúmulo de sangue em torno de Bella. Um rosnado profundo e animalesco brotou de seu peito, os dentes brilhando enquanto ele repetidamente lançava-se contra mim na direção dela. Suas defesas caíram enquanto ele ia sendo consumido pelo desejo ardente, e eu vi a minha chance de cortar a garganta dele, acabando com a ameaça do meu amor, o meu desejo.
NÃO, EDWARD, NÃO! Alice gritava em seus pensamentos, suas visões do futuro me mostrando não só sua dor, mas também o terror de Bella com a visão da cabeça decapitada de Jasper rolando pelo chão. A visão me distraiu o suficiente para ver a aproximação de Emmett sedento, por trás do nosso irmão enlouquecido.
Ele estava vindo em meu auxílio, ou de Jasper? “Ela é minha”, eu rosnei calmamente, mantendo o corpo de Jasper entre Bella e Emmett enquanto ele continuava a se sacudir estupidamente para me alcançar. Eu captei alguns pensamentos ao meu redor, procurando por mais atacantes, mas ninguém mais se mexeu. Emmett colocou seus braços em volta de Jasper, puxando-o para trás, nos separando.
Atrás de mim, Bella permanecia sangrando, e, enquanto eu lutava para protegê-la de Jasper, também lutei contra mim. O veneno estava quase transbordando dos meus lábios, a queimação na minha garganta tão intensa que, quando as minhas mãos ficaram livres, quase não resisti ao impulso de transformá-la eu mesmo. Eu vi o rosto do meu amor através dos olhos de Alice, e percebi que o motivo dela estar banhada em sangue não era por causa de Jasper, mas porque eu descuidadamente atirei-a na direção da mesa cheia de vidro.
O que eu tinha feito?

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada

The Twilight Saga - Breaking Dawn - Part 2